Vox Dei nº 456 de 18 de junho de 2017

 

Depois da grande festa em honra da Santíssima Trindade desfrutamos agora de uma ressaca boa, aquela que nos deixa com gosto de “quero mais”. Viver na alegria, na confraternização, na irmandade, é possível, decerto. Foram muitos momentos de intensa vivência no Espírito Santo de Deus, em celebrações belíssimas, nas adorações ao Santíssimo, culminando com uma procissão luminosa em honra da Santíssima Trindade, alicerçada na luz do amor de Deus por seus filhos.

É isso o que se busca: Luz. Para iluminar os caminhos, para clarear as ideias, para alegrar o coração e alimentar a alma. Essa luz, que vem da Trindade, é a supremacia da fé na superioridade e na autoridade de Deus.

Foi apresentada uma imagem antiga de Nossa Senhora da Trindade à comunidade da Paróquia; ela está nos cartazes da Festividade. O tema “Trindade e a Virgem Maria, Sede de Sabedoria”, oportunizou um aprofundamento na devoção e evoca um maior fervor à mãe de Jesus, na medida em que refletimos sobre sua importância para a composição da Trindade Santa.

A busca pela confraternização, a alegria genuína -- aquela que vem naturalmente sem o uso de substâncias exteriores -- é uma referência para a comunidade. Poder desfrutar de momentos de descontração num ambiente festivo, em segurança, é possível, sim, e isso é plenamente demonstrado nos eventos que envolvem toda a festividade.

Nada além da generosidade, serviço e partilha de todos impele e motiva a condução desses oito dias em que dura a Festividade da Paróquia. Isso é muito importante. Cada gesto de amor é realizado em nome da Trindade Santa, e isso é fé que possibilita a evangelização de muitos.

O esmero para oferecer o melhor não é por orgulho bobo, é para disponibilizar o que se tem de bom.  Até na doação de roupas e acessórios reutilizáveis há desprendimento e espírito de colaboração. Os preços simbólicos das peças ofertadas são para facilitar o acesso de muitos àquilo que não poderiam adquirir de primeira mão.  

Tudo é pensado para agregar e unir pessoas numa irmandade familiar: conhecer os membros da comunidade, trazê-los para perto da Igreja, resgatar almas, reacender a fé, converter corações e sentimentos, aliviar dores e elevar o espírito até Deus, sedimentar a crença e a esperança na sua misericórdia infinita... Por tudo isso, já valerá muito a pena todo o esforço e trabalho para a realização dessa grande Festa.       

 

Gratidão a todos que tornaram possível esse congraçamento.

Adiene Cavalcante Brabo