Vox Dei nº 448 de 23 de abril de 2017

A morte de cristãos em recente ataque terrorista durante celebrações religiosas no Egito, nos leva a meditar sobre as três vezes em que Pedro negou Jesus durante seu julgamento e em como seria conosco, mesmo que na atualidade. Parece que o tempo de caça aos Cristãos está tão longe e ao mesmo tempo tão presente em nossos dias!

O que o Cristão atual faria se fosse confrontado por um terrorista? Teria coragem de assumir sua fé mesmo sabendo que poderia ser vítima de uma morte iminente? E se negasse, como seria conviver com esse fato? Será que Jesus perdoaria, faria aquele olhar misericordioso que só Ele tem?  

Acredito que pouquíssimos teriam uma resposta franca e positiva para estas perguntas. Ser Cristão no mundo de hoje parece tão tranquilo, mesmo quando tantas vezes negamos Jesus em atitudes casuais que em princípio parecem corriqueiras.

Teríamos a convicção de morrer sem negá-lo ou de abdicarmos de atitudes que negam a fé que dizemos professar?

Essa reflexão parece tão inoportuna nestes tempos pascais quando festejamos o maior emblema da fé em Deus filho e em sua Ressurreição dos Mortos, mas não é não. Não foi a ressurreição em si que fez dele o filho de Deus, ele já foi concebido Deus! Se observarmos em suas obras ele ressuscitou Lázaro, e isso fez de Lázaro, Deus? É claro que não!

As vítimas que morreram naquele ataque terrorista foram direto para o céu? Elas estavam dentro da Igreja, foram mártires da intolerância religiosa?

Poderemos nos basear na preparação que tivemos ao longo do período quaresmal quando fomos conclamados à prática da reconciliação com Deus através do arrependimento dos pecados, da utilização do sacramento da confissão, e da penitência o que nos leva a inferir que estas pessoas responderão e serão julgadas individualmente pelas suas condutas em vida.   

Nesta páscoa em especial, seria muito oportuna uma autoavaliação sobre o quão somos de fato Cristãos convictos na fé. O que nos falta para estarmos sempre preparados para jamais, em nenhuma hipótese, negar a fé em Jesus?

A Páscoa se estende até o domingo de Pentecostes. Vamos viver solenemente esse tempo de graça pascal e renovar os votos de amor e fé em Nosso Senhor Jesus Cristo?