Vox Dei nº 430 de 18 de dezembro de 2016

O nascimento de Jesus é precedido pela Anunciação, em Mateus e em Lucas. Neste, a Anunciação é feita a Maria. Em Mateus, o anjo aparece em sonho a José, “filho de Davi”, com a intenção teológica de demonstrar a origem davídica de Jesus, através da genealogia inicial. Jesus é o Messias dos judeus-cristãos para quem Mateus escreve. João inicia seu Evangelho, afirmando a eternidade do Verbo em Deus. Sem origem, existia desde o princípio. Essa é a última realidade de Jesus. Mas, enquanto homem, qual foi sua origem? Mateus e Lucas descrevem o início do homem Jesus de modo diferente, porém, essencialmente idêntico. Lucas apela ao testemunho da mãe, Maria. Mateus, pelo contrário, descreve a situação do ponto de vista do marido, José. Ambos os relatos convergem para afirmar que o concebido no ventre de Maria não tinha pai humano. Que a concepção foi um ato do poder do Espírito Divino. Esse Espírito, que pairava presente sobre as águas no início (Gn 1,2), agora paira sobre Maria para uma realidade que se parece com uma criação.

Portanto, a história de José e Maria nos serve de reflexão para compreendermos a nossa história também, segundo os desígnios de Deus. Ele nos convoca para sermos colaboradores na Sua obra de salvação e, assim como fez com Maria e José, nos dá sinais muito simples a fim de que alcancemos de um modo espiritual o Seu propósito a nosso respeito. Assim, podemos perceber que Deus não age em nós sem o nosso consentimento.

Primeiramente Ele mandou o anjo anunciar a Maria que ela era a escolhida para ser a Mãe do Salvador. O anjo esperou pela resposta de Maria e só se afastou depois que ela disse, SIM! Da mesma forma, o anjo apareceu a José, como para lhe dar satisfação sobre o acontecimento com a mulher que lhe era prometida em casamento. José também deu o seu SIM e, mesmo contrariando os seus planos pessoais e mudando o rumo de sua vida, obedeceu, contribuindo com o Pai no Seu projeto salvífico quando acatou as ordens do anjo, mensageiro de Deus. “Não tenhas medo”, disse-lhe o anjo, e ele confiou plenamente em tudo o que lhe foi revelado.

Podemos perceber na nossa vida quando os anjos vêm a nós nos momentos mais simples, como na oração, às vezes até em sonhos, por meio dos “profetas de hoje” que têm intimidade com o Espírito Santo e nos revelam a vontade do Pai para a nossa vida. Precisamos apenas estar atentos a tudo que se passa à nossa volta, pois mesmo numa “pequena flor” o Senhor pode revelar os segredos que já existem em nosso coração e ainda não temos conhecimento.

As ordens de Deus também nos chegam por meio de pessoas que nos orientam, da Palavra que nos instrui, dos pensamentos, das moções da Igreja, por essa razão nunca podemos nos justificar afirmando que não sabemos qual é o Plano de Deus para nós. Mesmo tentando, a princípio, se livrar da situação, José, porque era um homem justo, acolhe o chamado de Deus e ajusta-se ao plano do Senhor deixando de lado os seus próprios projetos. Tudo nos fala de Deus, portanto, precisamos com muita atenção, entrar em sintonia com os pensamentos que o Espírito Santo nos revela para pôr em prática a vontade do Pai para a nossa vida, e assim nos tornarmos justos (as), como São José!