Vox Dei nº 429 de 11 de dezembro de 2016

O terceiro domingo do Advento é chamado “domingo da alegria”. Na caminhada de preparação ao Natal, somos convidados à alegria dos que, com fé, esperando e preparando a vinda do Senhor, conseguem enxergar, aqui e agora, os sinais do amor divino.

Alegrar-se no Senhor é reconhecer que, apesar das tribulações e incertezas, somos amados por Deus, que se manifesta nas ações de libertação, no resgate da vida, no anúncio da boa-nova aos pobres. O próprio João Batista, profeta anunciador do Messias, teve suas dúvidas. Ele nos faz pensar em nossas incertezas, na dificuldade de enxergar os sinais de vida do reino de Deus em meio à tantas situações de injustiça e morte.

Foi na prisão, que João Batista encontrou um meio de comunicar-se com Jesus, a fim de confirmar para seus discípulos que Ele era o que havia de vir e para quem ele próprio, João, havia aberto o caminho. Não que João Batista duvidasse, mas para apontar Jesus como o verdadeiro Messias que viera salvar a humanidade, fez-lhe a pergunta: “És tu aquele que há de vir ou devemos esperar um outro?” Essa indagação é hoje para nós muito pertinente, pois vez ou outra nós nos esquecemos de que Jesus já veio, cumpriu com a Sua Missão de Salvador, ressuscitou, subiu aos céus, está sentado à direita do Pai e nos enviou o Seu Espírito Santo que permanece conosco e realiza em nós, também, todas as obras que fez naquele tempo. Há o risco de perdermos a noção da realidade espiritual em que vivemos e ficamos esperando por sinais que venham de fora, nos apegando às pessoas como se elas fossem o próprio Jesus.

Precisamos enxergar os milagres que Jesus realiza hoje no meio de nós, dentro de nós, para que possamos contar a todos o que vimos e ouvimos! A obra de Deus é espiritual e se manifesta de dentro para fora e, se abrimos o nosso coração, milagres também acontecerão. O reino dos céus está dentro de nós, por isso, somos ainda mais bem-aventurados do que João Batista que pregava um batismo somente de conversão. Nós fomos batizados com o Espírito Santo, recuperamos a graça santificante e temos diante do Pai um intercessor que justifica os nossos pecados e nos cobre com a Sua Misericórdia. Somos hoje também “os Joões Batistas” que nos comunicamos com Jesus e anunciamos ao mundo que Ele está vivo e atuante em nossas vidas, motivo de alegria para nós e para a Igreja.

Com toda a certeza, para os que se abrem a Deus, a fé leva à autêntica alegria, a alegria de poder preparar a vinda de Jesus com ações de bondade e vida. É preciso superar a tentação antiga de que Jesus é motivo de escândalo para nós, uma pedra de tropeço, para torná-Lo a verdadeira razão do nosso caminho e da nossa alegria!