Vox Dei nº 428 de 04 de dezembro de 2016

Ao celebrarmos o segundo Domingo do Advento, a liturgia nos propõe o convite que João Batista, aparecendo no deserto, fez à beira do rio Jordão: “Convertei-vos, porque o Reino dos Céus está próximo”. Durante toda a sua vida ele pregou aos homens e mulheres o arrependimento, preparando, assim, o caminho do Senhor que estava por chegar, Aquele que vinha trazer a Salvação. Suas palavras ressoavam para romper as barreiras injustas e, sobretudo àquelas que impediam as pessoas de enxergar o Cristo, que faz verdadeiramente o ser humano coerdeiro com Ele da glória do Céu.

Ainda hoje ressoa no deserto do nosso coração a voz de João Batista, dizendo: “Convertei-vos”. A voz do profeta continua clamando à preparação dos caminhos do Senhor e o pedido a endireitar as veredas da nossa vida. Neste tempo do Advento precisamos acolher esta palavra, encarnando-a e assumindo a realidade da qual o profeta nos fala. Mesmo que estejamos em unidade com o calendário litúrgico e nos confessemos todos os meses, precisamos fazer uma reflexão para saber se estamos comprometidos com os propósitos assumidos com Jesus. Precisamos averiguar se estamos produzindo os frutos que provem a nossa conversão, se realmente houve mudança na nossa convivência fraterna, ou se, pelo contrário, estamos confessando os mesmos pecados de estimação.

Assim como ao fim de cada ano fazemos um balanço para verificar se progredimos materialmente e profissionalmente, precisamos mensurar se houve, de fato, um crescimento espiritual e se ele influiu na nossa convivência com as pessoas, nos relacionamentos em família e no mundo, pois a nossa conversão se manifesta, justamente, nos relacionamentos. Hoje, também, precisamos entender que “o machado já está na raiz das árvores”, ou seja, que o tempo está passando e a hora é esta.

Jesus nos batizou com o Seu Espírito que é o fogo do Divino Amor. Por isso, temos em nós o poder que queima o nosso pecado, mas isso só nos é possível se estivermos vigilantes e acordados (as). Se apenas nos confiarmos de que Jesus já nos salvou, mas permanecermos indolentes e descuidados, com certeza seremos iguais à “palha que queimará num fogo que não se apaga”. Se cremos que Jesus nos salvou, também precisamos aderir ao projeto que o Seu Espírito nos revela, para que possamos dar frutos de conversão e, assim, assumir o reino dos céus que acontece aqui e agora.

O reino de Deus se manifesta em nós por meio das nossas ações de perdão, de amor, de paz, de serenidade, de alegria, de mansidão, de paciência, de concórdia, de harmonia e muitas outras coisas que nos tornam pessoas felizes e realizadas, verdadeiras testemunhas do seguimento de Jesus. A pregação de João continua a realizar-se nos dias de hoje em nossas comunidades, no mundo e em cada um de nós, afim de que sejamos acolhedores da Redenção de Cristo. Portanto, diante d´Ele precisamos tomar nossa decisão e, para isso, é preciso conversão.